10 de dezembro de 2012

Pingo Alverca


Na passada terça-feira, dia 4, às 15h30, larguei um pingo num parque, zona de convívio envolvida por prédios, em Alverca do Ribatejo. Devo dizer que saí de casa a pensar largá-lo nesta cidade, mas sem saber bem onde. Assim que deixei a minha mãe no local onde ela precisava de ir, resolvi então partir à descoberta. Nesse momento, era envolvida por música ambiente natalícia e intercalada por publicidade (pois claro!). Entre outras, ouvi a tão famosa e bonita "Last Christmas" dos Wham e sorri :) Ao chegar a meio da rua, vejo uma entrada para este local e resolvi entrar para ver melhor. Não poderia deixar de pingar ali, pois o local era perfeito. Dei uma volta ou duas ao local e a determinada altura vi um casal entrar pelo mesmo acesso que eu, mas que permaneceu na esquina, abraçando-se e beijando-se numa cumplicidade que que sentia ao longe. Queria fotografá-los, mas estava relativamente perto e não queria ser motivo de perturbação deste momento íntimo entre os dois, portanto esperei e consegui captá-los ainda a regressar ao mundo lá fora de mãos dadas.

Logo de seguida, reparei num senhor de idade que atirava milho aos pombos. Logo quis fotografá-los no ar e momentos depois, regressei por instantes à infância... àqueles dias de inverno em que ia com a minha mãe à Praça da Figueira comprar roupa bonita e de boa qualidade para usar no dia de Natal. E era certo, encontrar sempre uma senhora ou outra junto à estátua de D. João I a vender saquinhos de milho para as crianças atirarem aos pombos :) Lembro-me tão bem e com tanta saudade... eu gostava de o fazer de duas maneiras: atirando ao chão ou (a minha preferida) estender-lhes a mão cheia para que viessem comer directamente da minha mão. Adorava sentir-me depenicada. Ao contrário do que aqueles que nunca experimentaram esta sensação, não é doloroso (eles têm uma forma gentil de o fazer suficientemente inócua e agradável até). É-me tão agradável essa memória e essa sensação que há uns anos tentei fazer o mesmo com umas galinhas minhas, mas elas não são pombos, portanto são bem mais agressivas e competitivas! E foi o que tentei então voltar a fazer. Depois de o senhor passar uma segunda vez e deitar o resto do milho que tinha no saco, apanhei alguns grãos (com o olhar curioso e talvez preocupado do senhor sobre mim) e estendi-lhes a minha mão. Mas estes pombos não eram os simpáticos e destemidos da Praça da Figueira. Depois de comerem tudo o que havia há volta, houve um apenas que se aventurou um pouco e chegou bem perto de mim, mas nada de comer da minha mão, apesar das várias investidas inseguras. :)

Depois de voltar à infância, tirei mais umas fotos ao espaço e resolvi colocar o pingo num dos bancos, confirmando sempre que não estava a ser vista por ninguém. Apesar de querer continuar neste espaço, tive que regressar para junto da minha mãe pois fiquei sem bateria no telemóvel e ela não teria forma de me contactar para que a fosse buscar. Mais tarde, às 16h20, voltei a passar por lá e resolvi espreitar para ver se havia novidades. Como podem ver (mal) na imagem do canto inferior direito, estava um grupo maioritariamente masculino na zona dos bancos. Eles ainda olharam para mim, enquanto tentava tirar a foto. É bem provável que tenham ficado com o coraçãozinho verde... ;)

O texto que o acompanhava era o seguinte:

"Os melhores relacionamentos acontecem com pessoas que entram na tua vida por acaso e que permanecem intencionalmente."
                                                                                                                                  Anónimo

9 comentários:

  1. Gosto muito da montagem, Ana :0)
    Parabéns!
    Beijinhos
    <3

    ResponderEliminar
  2. Adorei o relato Ana! É tão bom regressarmos à infância!
    Desculpa lá, mas não concordo quando dizes que os pombitos não nos magoam, uma vez em Sevilha, no Parque María Luísa, os pombinhos brancos "assaltaram-me" e toda eu fiquei coberta de pombos brancos. Era cabeça, braços, ombros... e, como era de verão e ia com os braços descobertos, fiquei toda arranhada :-D Talvez por serem espanhóis... ou então, não tinham ido à manicure :-) Mas foi um espetáculo digno de se ver e a pessoa que ia comigo, que adorava animais, até lhes deu milho no bico com a sua própria boca :-D
    Beijocas

    ResponderEliminar
  3. Obrigada amigas!
    Vou agora tentar fazer o de ontem.
    Beijinhos! <3

    ResponderEliminar
  4. Olá Ana

    ufa ,finalmente a SURPRESA ,gostei muito ,continua ,beijocas <3 <3 <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Teresa! Mas esta não era a surpresa. A surpresa é a do meu post seguinte (13 Pingos lançados no C.C. Vasco Da Gama e 1 para a mana) :)

      Beijinhos! <3
      (estamos quase no dia 16! ;) )

      Eliminar
  5. Um pingo fica ainda mais interessante quando acompanhado de uma bela história. Um abraço!

    ResponderEliminar
  6. Tão giro este projeto!! Não achei e achei super interessante! Bolas, gostava de ter apanhado esse coraçãozinho - eu sou de Alverca e esse parque fica perto de onde moro! ;) E sim, acho que os pombos por cá não são muito amigáveis! ;) Continua a espalhar esses Pingos de Amor! :) ***

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anita, obrigada pelas tuas palavras!
      Amanhã, curiosamente, volto a Alverca. :D
      Enviei-te um e-mail :)

      Como nos descobriste, se dizes que não achaste o meu coração?

      Beijinhos! <3

      Eliminar

Quer partilhar o seu coração connosco? Nós agradecemos os seus Pingos de Amor por aí em forma de palavras...